5 tipos de manchas faciais e os melhores tratamentos clareadores

Resenha: A maravilha das pequenas coisas – Dawn French
9 de setembro de 2019
Resenha: Linha Match Fonte de Nutrição de O Boticário – para qual tipo de cabelo realmente funciona?
23 de setembro de 2019

Olá amoras!

Vivendo num país tropical, ficar livre de manchas na pele é praticamente o sonho de 9 em cada 10 mulheres. Induzidas pela fotoexposição, ou seja, pela exposição da pele à radiação ultravioleta, as manchas podem ser de vários tipos: a hiperpigmentação pós-inflamatória, a melanose solar, o melasma, as efélides e as manchas de acne.

1- Hiperpigmentação

É caracterizada por manchas escurecidas na pele, principalmente em áreas previamente lesionadas, de forma que suas principais causas são trauma, exposição ao calor, cortes e até pós-procedimentos médicos, como lasers e outras tecnologias.

2- Melanose solar

Caracteriza-se por manchas arredondadas nas áreas expostas ao sol, de tom acastanhado que podem lembrar as sardas, tendo como principal causa o excesso de exposição solar ao longo da vida.

3- Melasma

As manchas são mais escuras nas regiões expostas ao sol, mais comumente em mulheres e na região malar, testa, supralabial e mento. “Há uma predisposição genética, além do uso de estrógeno, período de gestação e exposição solar.

4- Efélides (sardas)

São manchas arredondadas, claras, de tom ferruginoso, presentes desde a infância, com causa genética.

5- Manchas de acne

São acastanhadas ou avermelhadas nos locais onde havia espinhas. Elas surgem pelo mecanismo inflamatório que gera derrame de pigmentos na derme.

Para buscar o melhor tratamento, um médico dermatologista deve ser consultado.

Existem muitos equipamentos que podem tratar manchas, sendo os mais novos:

Melasma Cleanser

O protocolo Melasma Cleanser, do equipamento Solon, une o novo laser Vektra QS com a poderosa Eletroderme, agindo diretamente nas células que fabricam o pigmento e renovando a superfície da pele. “O procedimento oferece clareamento seguro e age também contra o melasma. Primeiramente é aplicado o laser Vektra QS, que está com o triplo de sua energia, com pulsos ultrarrápidos que agem de 5 a 10 nanosegundos (antes eram 15 nanosegundos). O laser age no melanócito (células produtoras de melanina) impedindo a célula de liberar o pigmento para as células mais superficiais. Além disso, nas manchas já instaladas, o laser fragmenta o pigmento em partículas muito pequenas, o que facilita a eliminação pelo organismo”, afirma o dermatologista Dr. Abdo Salomão. Logo após, na mesma sessão, é aplicada a radiofrequência microagulhada Eletroderme. “As microagulhas banhadas a ouro penetram profundamente na pele, promovendo coagulação, aquecimento e reorganização das fibras de colágeno”, afirma o médico. As microperfurações na pele facilitam a saída do pigmento da superfície da pele pelo processo de renovação celular. Com a vantagem de ainda estimular colágeno e renovar a pele, o tratamento clareador Melasma Cleanser é feito em três sessões com intervalo mensal entre elas. O tempo de recuperação também é outra vantagem: “No dia fica vermelho e inchado e no dia seguinte ou depois de dois dias não há mais nada”, afirma.

Lumina Face

Também do Solon, o protocolo Lumina Face é capaz de tratar, na mesma sessão, as mais diversas consequências do envelhecimento do tecido cutâneo, sendo indicado para o tratamento de manchas, sardas, vasinhos, flacidez, rugas e poros abertos. “Lumina Face reúne o laser Erbium:YAG Pro Collagen com a luz intensa pulsada Expert Light para promover rejuvenescimento completo da face”, afirma o dermatologista Dr. Abdo Salomão. Enquanto o laser Pro Collagen estimula o fibroblasto a produzir colágeno, retificando as células e, consequentemente, melhorando a textura da pele e promovendo o fechamento dos poros e a suavização das rugas, a aplicação do Expert Light, luz intensa pulsada focada no tratamento de manchas, sardas, vasinhos e outras alterações tanto de origem vascular quanto pigmentar, uniformiza o tom da pele. São recomendadas três sessões com intervalos mensais entre cada uma delas e com novas sessões sendo realizadas anualmente para manutenção dos efeitos do protocolo. A vantagem do procedimento é o fato de não possuir downtime, possibilitando ao paciente retornar as atividades imediatamente.

Supremo

Nova tecnologia de luz pulsada que acaba de chegar ao Brasil, o Supremo, da Basall, por meio do handpiece Supreme Care emite feixe de luz de 510 nanômetros, ideal para o tratamento de diversas alterações, entre elas as manchas. “O feixe de luz (510nm) é atraído pela melanina presente na epiderme, sendo transformado em calor (fototermólise). Desta forma, o pigmento é coagulado e destruído, eliminando as manchas”, explica a dermatologista Dra. Natássia Pizani, membro titular da Sociedade Brasileira de Dermatologia e consultora científica da Basall. “Com relação à segurança, Supreme Care, através de seu exclusivo pulso quadrado, elimina o pico de energia no início do pulso e evita queimaduras; ao mesmo tempo, ele alia eficácia ao impedir a perda de energia no final do pulso, aumentando a sua performance. Com ampla cobertura, a tecnologia distribui a energia de forma homogênea tornando o tratamento eficaz cobrindo uma área maior; e, por fim, a eficiência terapêutica é vista por explorar todo potencial da faixa terapêutica”, diz a médica. Para total segurança do usuário, o aparelho Supremo possui sistemas eficazes de ventilação, que não deixam o aparelho esquentar aumentando a sua vida útil e protegendo o usuário de possíveis acidentes. Em média, são recomendadas quatro sessões com intervalos mensais para o tratamento de manchas, mas os resultados podem ser notados desde a primeira sessão.

Laser de picossegundos

Para tratar manchas escuras é recomendado o laser de picossegundos, que fragmenta o pigmento sem gerar calor na pele. “O laser de tratamento clareador, ao ser aplicado, é capaz de ‘despedaçar’ o pigmento. Quando falamos em um procedimento com duração de pulso em nanossegundos, ele é capaz de causar uma fragmentação do pigmento. Já o laser em picossegundos é mais rápido e causa uma microfragmentação, ou seja, o pigmento é espatifado em pedaços muito menores, o que facilita ao organismo eliminar esses pigmentos com menos efeito colateral”, afirma a dermatologista Dra. Paola Pomerantzeff. O tratamento com laser de picossegundos tem disparo ultrarrápido, que não aquece a pele, de forma que o tratamento é mais seguro e menos dolorido. De acordo com a médica, o tratamento não tem downtime (tempo de recuperação) e o paciente pode voltar imediatamente às atividades normais após a sessão. Em média são necessárias de duas a quatro sessões, a depender do tamanho ou do grau do melasma e manchas. O intervalo entre as sessões para manchas é de quatro semanas.

iPhoton

O tratamento de fotobioestimulação pode ser feito em casa com aparelho portátil iPhoton, da Basall. Ele é composto por três sondas de LED removíveis, emitindo luz vermelha & infravermelha (efeito anti-idade), azul (antiacne) e verde (suaviza manchas). “A irradiação da luz verde foi desenvolvida para controlar a hiperpigmentação e manchas da idade. Com o uso constante, as luzes proporcionam a sensação e o aspecto de uma pele mais macia, de tonalidade uniforme, mais clara e luminosa. A luz verde emitida pelos LEDs penetra na camada basal da derme e, portanto, ajuda a suavizar as sardas e manchas da idade, proporcionando uma pele clara e radiante”, diz a dermatologista Dra. Natássia Pizani. O aparelho pode ser usado diariamente.

 

ME SIGAM também nas Redes Sociais:
INSTAGRAM: @thaysnrezende
FACEBOOK: thaysnrezende
YOUTUBE: 
ThaysRezende

 

Kisses,

Thatá.

Facebook Comments